30 setembro 2016

Programa Rádio Miúdos 109 – 30 Setembro 2016

Esta foi a história que lemos na Rádio Miúdos neste dia!

É a rádio mais fantástica que há!

O motivo
Ele corria, fazia de tudo um pouco para encontrá-la, coisas boas, coisas ruins para as pessoas, ninguém conseguia compreendê-lo. Por quê?  Perguntavam mas ninguém podia responder.
Ele bebia às vezes e também fumava, matava aula, estudava, rezava e até amava. Alguns se afastavam, achavam aquilo uma loucura, mas para ele tudo tinha motivo, mesmo que oculto para todos.
Às vezes chorava, por raiva de todos que o julgavam sem saber que tudo que ele procurava era FELICIDADE.
Marcos Vinicius de Oliveira, 15 anos, 8º ano C, CEF 04 de Brasília, profa. Celina Silva Pereira
Desafio nº 16 – uma palavra que define todo o texto

Programa Rádio Sim 851 – 30 Setembro 2016

OIÇA aqui
o programa em podcast na Rádio Sim

Gosto
Não estar na rede é complicado, melhor é estar sempre online para estar em todo o lado. Facebook, Twitter, Instagram, Whatsapp, Tinder… é preciso comunicar sem estar lá.
O não sei quantos de tal é viral. A não sei quantas de tal é fatal. Eu sou actual, tu és banal.
O real é virtual. Teclar é falar.
Eu sou um écran, tu estás na rede.
Mensagem recebida e visualizada. Resposta dada. Mais nada.
Mete um like. Gosto.
João Luís Silva, 55 anos, Peral-Cadaval
Desafio nº 109 – solidão no meio de gente

A musa ausente

– Linha 111, boa tarde. Como posso ajudar?
– Boa tarde. Precisava de saber se a minha musa está de serviço hoje.
Quero escrever um texto para o blogue das 77 palavras e estou sem
inspiração nenhuma.
– E quem é?
– Quem, eu? Sou o Carlos.
– Não, a sua musa…
– Ah! A minha musa, claro. É a caliope1958.

– Tenho pena, mas a caliope1958 só atende às terças e quintas. E hoje é sexta.
– Ora bolas! Pronto… obrigado.
– De nada.
– Pois…
Carlos Alberto Silva, 58 anos, Leiria
Mais textos aqui: http://www.amoranegra.pt/
Desafio nº 111
 – linha de atendimento 111

Tigre Enjaulado

– Ligou para o 111, a linha de ajuda para quem se sente aprisionado pela vida, o meu nome é Micael, em que posso ser útil?
– Sinto-me um tigre enjaulado. O que faço para não arranhar o próximo que entrar no meu gabinete?
– Porque não vai dois ou três dias de férias?
– Impossível.
– Que tal mudar de emprego?
– Você pirou! Acha que há para aí empregos ao pontapé?
– Bem, então saia e vá comprar um saco de boxe.
Quita Miguel, 56 anos, Cascais

Faça aqui o download do livro infantil «O Chapéu-de-chuva às Bolinhas» http://ow.ly/ZtAG0
Desafio nº 111
 – linha de atendimento 111

De onde?!

Está lá? Fala do 111?
– Olhe, minha senhora, deram-me este número, para o caso de eu me querer ir embora. Sabe... Meteram-me nesta casa, um pouco esquisita, estou rodeada de malucos e eu não quero ficar como eles.
Ai pobre de mim, deixaram-me aqui abandonada e eu sem poder fazer nada.
Será que me pode ajudar? E eu agradecia-lhe tanto.
– Ah, bom!... Já percebi porque é que ligou, para o Jardim Zoológico.
Só me faltava mais esta...

Natalina Marques, 56 anos, Palmela
Desafio nº 111
 – linha de atendimento 111

Que pena…

Visita de uma cunhada italiana, idosa, faladeira, não muito chegada aos banhos, portanto, nos raros momentos silenciosos, ainda assim, uma quadra distante, podia-se senti-la!
Como atender a casa, os filhos e estudar para a faculdade se a matraca ao lado nada permitia, como?
Dois meses para que fosse embora. Certa noite sonhava.
– Aloooooooooooooooooooô!!! É do 111?
– Sim, 111, em que a posso servir?
Deportem uma vecchia signora, antes que...
Assim a patrulha o fez!
Infelizmente, fora sonho!

Chica, 67 anos Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil 
Desafio nº 111
 – linha de atendimento 111

Desafio nº 111

Já imaginaram uma linha gratuita,
de atendimento permanente, que fosse o 111?
É isso que vos peço, brinquem com a ideia.
De que ajuda precisam? Ou de que ajuda precisa a vossa personagem?
No texto, terá de se perceber qual a função da linha que imaginaram, claro.

Eu já me diverti com isto…
– Estou, é do 111?
– Exatamente, minha senhora, 111, atendimento permanente para encontrar os objetos perdidos em casa.
– É que perdi as chaves do carro, já estou atrasada, o stress não me ajuda nada, já revirei a casa toda!!!
– Minha senhora, faça o seguinte, por favor.
– Sim…
– Sente-se. Feche os olhos. Deixe que a sua respiração acalme… Agora, imagine que está a chegar a casa… Recoooooooordeeeeeeee… Onde as deixou?
– Ah, que maravilha! Já as descobri, estão no frigorífico!!!
Margarida Fonseca Santos, 55 anos, Lisboa

Desafio nº 111 – linha de atendimento 111

29 setembro 2016

Diz o silêncio

O silêncio também é música. O silêncio também conforta a alma. O silêncio também consegue gritar. Porque nem todos os sentimentos são traduzíveis. Nem todos os sentimentos conseguem falar. Há sentimentos mudos. Sentimentos para os quais nem a música é suficiente. Sentimentos produzidos pelo ruído dos pensamentos, que percorre o corpo da cabeça aos pés. Sentimentos mais intensos do que qualquer linha melódica. Sentimentos que nos deixam paralisados, bloqueados, debilitados. Sentimentos que só permitem o silêncio falar. 
Carolina Constância, 23 anos, S. Miguel – Açores

Desafio nº 52 – uma história com música, ruído e silêncio

Alcançar o futuro

Durante aquele longínquo verão sonhava, assolada por sentimentos contraditórios, curiosidade, ansiedade e expetativa.
E o primeiro dia de escola chegou. Vestiram-me um vestido branco, feito a propósito para a ocasião, uma fita cor-de-rosa adornava o cabelo e, na cara, um sorriso tímido.
Na cabeça, sonhos, na pasta, o escasso material próprio da época, o suficiente para alcançar o futuro.
Uma sala cheia de meninas, uma professora de bata branca. Meninos à parte.
Não mais deixei a escola.
Joana Marmelo, 50 anos, Cáceres, Espanha

Desafio Escritiva nº 12 – a escola…

Programa Rádio Sim 850 – 29 Setembro 2016

OIÇA aqui
o programa em podcast na Rádio Sim

Agradecido
Facebook, pensamos muitas vezes que não temos palavras. Aqui na tua casa o que não falta são palavras. Então hoje, pela primeira vez que o faço, servi-me como muita gente faz de 77 palavras para descrever a história deste dia. Abençoaram-nos bem cedo os amigos que foram chegando de todo o lado. Trouxeram os filhos à nossa companhia, para celebrarmos com alegria os tenros anos da nossa filha. Misturaram carinho com alegria, juntaram simpatia, encheram-nos a alma!
João Pedro Pais Nogueira, 47 anos, Seia – Guarda

Na escola

Coloque o meu texto, professora!
– E o meu também!
Foram parar no mural os adolescentes trocando olhares, o casal se despedindo, a menina viajando para Portugal, o estudante trêmulo antes da apresentação.
O avô olhou as histórias a seu lado e contou para a netinha sonolenta que o namorado, em busca da felicidade, ofertou flores para a amada. A menina comoveu-se com os sonhos que se foram e se animou com a mensagem de cair e levantar-se.
Celina Silva Pereira, 66 anos, Brasília, Brasil.

Desafio Escritiva nº 12 – a escola…

As aulas

Cada ano estou mais velha, mas nem por isso mais acostumada. 
Tudo se repete e inevitavelmente tudo muda.
Novo horário, novas viagens e madrugadas. Consequentemente novas noitadas. Quiçá nova escola, novos colegas ou talvez não...
Novos livros e alguma nova matéria. O nervosismo, esse, o mesmo de sempre!
Mas enfrento cada dia com um sorriso, com a esperança renovada que farei diferença na vida de alguém. Alguém que futuramente recordará com carinho a primeira professora que teve.
Carla Silva, 42 anos, Barbacena, Elvas
Desafio Escritiva nº 12 – a escola…


Com as escadas em frente

A minha escola tinha três andares. No primeiro, andavam os mais novos. Os mais velhos subiam uma escada empinada para os andares de cima. Víamo-los subir carregando malas pesadas. Mais tarde, desciam ao recreio como uma manada de búfalos, a saltar os degraus de dois em dois. Depois eu também subi para aquelas alturas. Quando começava a sentir-me à vontade, a escola acabou. Fui para o liceu. Estava novamente no primeiro andar, mesmo em frente das escadas.
Mª Jesús Fernández, 50 anos, Mérida, Espanha

Desafio Escritiva nº 12 – a escola…

28 setembro 2016

Programa Rádio Miúdos 108 – 28 Setembro 2016

Esta foi a história que lemos na Rádio Miúdos neste dia!
É a rádio mais fantástica que há!


Ir além
A história de minha vida não se resume apenas em ter alguns amigos, tirar uma boa nota e criar um bichinho de estimação.
Não! Vai muito além disso. Porque minha mãe me disse que vale muito mais a pena ser do que ter. E é por isso que eu quis ir além.
Porque a viagem começa no momento em que decidimos ir. E, por mais difícil que possa ser, em meu caminho eu sempre vou querer mais.
Tauane Gonçalves Nunes, 13 anos, 8º ano A, CEF 04 de Brasília, profa. Celina Silva Pereira
Desafio nº 2 – “Sempre quis ser uma história”, palavras obrigatórias por ordem inversa