11 dezembro 2017

Celina Silva Pereira ― desafio 130

Esperança
Na espiga, Pequeno Grão de Trigo esperava num campo onde as plantas se vestiam de ouro. A chuva caía muitas vezes e deixava pontinhos brilhantes.
Um dia, o fazendeiro esfregou as mãos, sorriu. Estava com outros homens.
Os sacerdotes voltaram em dois dias e colheram a espiga de Pequeno Grão e algumas outras, formando um molho. Um homem de barbas brancas disse no templo que esse molho simbolizava um Menino que nasceria naquele ano e traria esperança.
Celina Silva Pereira, 67 anos, Brasília, Brasil
Desafio nº 130 ― de espiga a esperança


Elsa Alves ― desafio 120

No passado, ele insistira num percurso sem regresso; considerara o mundo seu e para sempre. Era o seu desejo. Contudo, algo existia escondido nas entrelinhas, mostrando que a estrada que seguia também continha atalhos que poderiam conduzir ao desejado destino. Tomou então uma decisão: apanhar outro caminho de regresso, outro que não o de antes, um que indicasse um outro rumo. Aos seus lamentos deu contorno nítido. Descobrindo outra maneira de regressar, reencontrou igualmente a sua história.
Elsa Alves, 69 anos, Vila Franca de Xira
Desafio nº 120 ― reencontrar o caminho sem V nem F


Natalina Marques ― desafio 131

Joãozinho, hoje chega a priminha do Canadá.
― Já ouvi dizer, é a Hermengarda, que raio de nome deram à priminha mimada.
― Tem o nome da madrinha que a baptizou.
― Agora percebo o porquê de não vir à terrinha... Eu também não vinha.
― Ora, menino, não diga nada que no futuro venha o arrependimento.
― Eu vou fazer tudo o que puder para que a priminha fique bem, e prometo não fazer, Pirraça também. Agora, Maria, vou ao café.
Natalina Marques, 58 anos, Palmela
Desafio nº 131 ― Hermengarda Pirraça sem S e L


Programas Rádio Sim - semana 11 dezembro 2017

Todos os programas, sempre com Helena Almeida e Inês Carneiro, 

nas Giras e Discos, podem ouvir-se aqui (ou pelos links que estão em baixo).


Indicativo do programa:








- Música e letra: Margarida Fonseca Santos; 
Arranjos, direcção musical, piano e voz: Francisco Cardoso
- Histórias de Cantar CD - Conta Reconta

Horário na Rádio Sim - 17h45, todos os dias

10 dezembro 2017

Susana Sofia Miranda Santos - desafio 131

O dia de Hermengarda Pirraça decorria negativamente. Tivera de efectuar um exercício académico muito importante que, de acordo com a orientadora, receberia ajuizamento técnico contando para a nota do período.
Porém, quando copiava o texto para o computador, derramou o chá da chávena e a máquina entrou em curto circuito.
A página de anotação prévia ficara manchada. Como poderia entregar o projecto? Nem percebia o que redigira.
Hermengarda, apavorada, rezava... tinha que rogar a piedade da tutora.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto
Desafio nº 131 ― Hermengarda Pirraça sem S e L



Margarida Freire ― desafio 131

Gioconda permanecia grudada à cadeira.
Nunca imaginara viver como Figurante. O Circo fora primeira opção; o pior era o trapézio. Fugia, como o diabo da cruz.
Para que fora conhecer o Da Vinci – nome parvo, credo! Nunca deu “dez”, agora “da vintchi”. Tropeçara, tinha de pagar a conta. Até que o amava, ao Pintor. Fora primeiro Amor, único até hoje. Era tão tímida…
Ah, Um Dia!!!! Porque não agora?
MONA foi. E a voar, claro. Para o Mónaco!
Margarida Freire, 75 anos, Moita
Desafio nº 131 ― Hermengarda Pirraça sem S e L


Maria João Cortês ― desafio 26

Era um magnifico dia de verão, e perante a escolha entre uma manhã de compras ou ficar ao sol a ouvir música na piscina, não hesitei.
Instalei-me confortavelmente na espreguiçadeira para aproveitar ao máximo a minha decisão.
Estava eu assim recostada quando ouvi o chilrear de numerosos pássaros, cantando à vez, intercalando com o correr da água da fonte. Foi um momento de extrema felicidade, pois nunca tinha tido a sorte de ouvir um tão belo concerto.
Maria João Cortês, Lisboa
Desafio nº 26 – dedicatória para alguém


Susana Sofia Miranda Santos - escritiva 1

O Zequinha sempre adorou ser o centro das atenções, mas desde que a mãezinha adoptou a Rubi, uma cadela com pedigree, escova-a persistentemente... até lhe colocou totós nas orelhas.
Antes, a mãe brincava consigo... agora, parece que a Rubi é filha e ele é enteado!
Mas hoje vingou-se... usando a máquina de barbear do pai, rapou totalmente o pêlo da Rubi. Acabaram os totós!
Quando a mãe viu, quase morreu de susto!
A cadela transformou-se em frango!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto
Desafio Escritiva nº 1 – um momento de riso!



Quita Miguel ― desafio 130

Vejo o campo a ondular sob o vento, observando cada espiga seca, que o frio e a ausência da água matou.
Observo o céu azul, desejando que as nuvens o preencham, e fecho os olhos, procurando sentir os pingos de chuva na face, mas apenas o vento marca presença, gelando o ar e retirando-lhe a pouca humidade que ainda permanece.
Entro em casa com os olhos embaçados, percebendo que as minhas lágrimas assinalam o fim da esperança.
Quita Miguel, 58 anos, Cascais
Desafio nº 130 ― de espiga a esperança


Faça aqui o download do conto «Sonho Esventrado» https://www.smashwords.com/books/view/595005

Susana Sofia Miranda Santos - escritiva 13

O maior record pessoal foi, indubitavelmente, deixar de fumar, sendo motivo de orgulho.
É extremamente complexo superar um vício, mas se existir força de vontade, não carecemos sequer de auxílio médico. Necessitamos somente de encontrar dentro de nós estratégias motivacionais eficazes.
Eu pensei que venceria quem duvidava de mim; o dinheiro gasto em tabaco poderia ser utilizado em fins construtivos. Além disso, desta forma pouparia a saúde, acompanhando com maior qualidade de vida as pessoas que amo!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto
Desafio Escritiva nº 13 – recordes pessoais



Margarida Freire ― desafio 104

Assumira Temporariamente Ensinar Matemática – “Palermice”, Observaste ‘Simpaticamente’. Alteraste Tendências, Esforçaste-te Muito Para Oferecer Simpatia. Atenta, Troquei Elementos, Movi Peças. Olhavas-me, Sorrindo!
Atabalhoadamente, Tentaste Envolver Místicas Profundamente Obsoletas, Sofisticadas. Atrevi-me, Torci Emoções, Mascarei Palavras, Ousando Silenciar-te. Abstive-me Temporariamente, Embora Mal Pudesse Ocultar Simpatia. A Tua Empatia Momentânea Possibilitou-me Outra Saída… Alteraste Tendências, Enfatizaste Modos, Posturas… Outros Sinais. Ao Teu Jeito, Modificaste Palavras, Ocultando Soluções. Antigamente, Teria Ensaiado Múltiplas Progressões, Obliterando Sinergias, Até Te Enlouquecer... Meu, Perdeste!! Ousei Sorrir!
Margarida Freire, 75 anos, Moita
Desafio nº 104 – letras obrigatórias: A T E M P O S


Susana Sofia Miranda Santos ― escritiva 1

Quando era criança, detestava ler... somente desejava jogar às escondidas.
Na escola, as professoras obrigavam-me a fazê-lo, mas nem sequer permitiam que escolhesse os livros, forçando-me a contactar com autores sem qualquer significado para mim.
Sentia-me presa na aula, totalmente castrada da minha liberdade.
Contudo, quando atingi a maioridade, compreendi a importância da leitura. Foi uma aliada fundamental da minha verdadeira paixão: a escrita.
Os livros ampliaram o vocabulário, fizeram voar a criatividade, permitindo-me conhecer novos mundos!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto
Desafio nº 41 – a propósito do Dia do Livro


Desafio nº 131

Vamos lá ver se nos fazem falta estas letrinhas…
O que podemos escrever sobre os desastres de
Hermengarda Pirraça, sem usar o S e o L?

Eu já a desgracei, ficou assim:
Hermengarda andava atarefada. Convidara a tia Petúnia para jantar. Não queria envergonhar a memória da mãe, irmã de Petúnia, doceira exímia. Na bancada, a receita do arroz de pato e um apontamento do pudim de maracujá. Contudo, tinha um pendor para o acidente. Quando Petúnia chegou, percebeu de imediato o que seria o jantar: arroz de maracujá e pudim de pato. Num ataque de fúria, puxou da varinha de condão. Hermengarda é, ainda hoje, fumo de cozinha…
Margarida Fonseca Santos, 57 anos, Lisboa
Desafio nº 131 ― Hermengarda Pirraça sem S e L


09 dezembro 2017

Maria do Céu Ferreira ― desafio 130

Sê feliz!
Que espiga, repetida,
O tempo de te aturar
Custou-me ver a saída
E poder-te descartar!

Foste o encanto falido,
Da minha vida falhada,
Encantador, tão polido
E brilhante na fachada…

Sedutor e mentiroso,
Teu estilo emolduraste,
Galã, bonito e vaidoso,
Esperança irradiaste!

Foram falsas artimanhas,
Muitas vezes engendradas,
Foi uma vida de manhas
E peripécias muito ousadas…

Até chegares ao limite
Da criação e ciência!...
E, por isso, o meu convite:
― Sê feliz!
Já não tenho paciência!...
Maria do Céu Ferreira, 62 anos, Amarante
Desafio nº 130 ― de espiga a esperança



Margarida Freire ― desafio RS 46

Tritão sentia-se PRESO. Que CONFUSÃO! Miriam era LUZ na sua vida. Dera-lhe o CORAÇÃO.
Apenas, rebentou a POLÉMICA. Neptuno havia PISADO sentimentos sem NESGA de piedade. Urgente a MUDANÇA. Eles amavam-se, portanto…
SIMPLES – gritou, JUNTANDO as mãos. ― O TREVO. O segredo dos Velhos Druidas….
Enlaçou a Jovem, ergueu a folha e gritou “SHWARZWALDENZIG”.
Sem SABER trocou as sílabas… catrapumba, a Atlântida afundou para sempre!
Eles ainda vivem, na Lagoa das Sete Cidades. Absurdamente felizes. É o Amor!
Margarida Freire, 75 anos, Moita
Desafio Rádio Sim nº 46 – 12 palavras impostas


Gonçalo Gonçalves ― desafio RS 44

É sempre a mesma coisa... Isto já se tornou rotina, já se arrasta há duas semanas. Desde que comprei o passe do autocarro, não consegui andar nele nem uma vez sequer, que chegava sempre atrasado. Entretanto, foi-me salvando o velho calhambeque da minha avó.
Porém, houve um dia que foi diferente. Quando cheguei à paragem, havia imensa gente que esperava pelo autocarro. Um homem veio ter comigo, cúmplice: "Parece que hoje não foste só tu a atrasares-te!".
Gonçalo Gonçalves, 14 anos, Colégio Paulo VI – Gondomar, Prof.ª Raquel Almeida Silva
Desafio RS nº 44 – reflexão em 44, contrário em 33


Ana Beatriz ― desafio 130

Vítor debulhava espigas, sustento da família. Tantas!
― Parece castigo! O pai não compra a debulhadora, ninguém merece!
Inesperadamente, uma espiga destacou-se, os grãos brilhavam. Parecia falar. Tinha uma beleza incomparável. Ficou paralisado! Virou-se, olhou o Sol e, num ápice, uma rapariga sorriu e disse-lhe:
― Vi como eras terno, doce, gestos suaves ― apaixonei-me!
Convidou-o a segui-la, pois tinha como esperança descobrir a divindade do mundo. Quando o viu, teve a certeza que conseguiria alcançar a sua nobre aspiração. 
Ana Beatriz, 39 anos, Lisboa
Desafio nº 130 ― de espiga a esperança


Quita Miguel ― escritiva 26

Humanidade
Confesso que cada vez me espanto menos com a natureza humana, talvez porque, por um lado acredito pouco nas pessoas, e por outro pergunto-me se existe certo ou errado. É que muitas vezes basta uma diferente cultura para classificar de mau o que nós consideramos bom e vice-versa.
Este olhar sobre a humanidade tem-me feito julgar sempre menos e duvidar sempre mais das minhas certezas anteriores.
Hoje, apenas acredito que tudo tem um propósito que desejo compreender. 
Quita Miguel, 58 anos, Cascais
Escritiva 26 – mistérios da natureza humana
Faça aqui o download do conto «Sonho Esventrado» https://www.smashwords.com/books/view/595005

Susana Sofia Miranda Santos ― desafio 133

O colégio dinamizou um concurso literário.
O mote é "Rima Roma"... fantástico!
A instituição não promove cabeças ocas.
Tomé, mecenas da instituição, mira progresso!
O aluno mais talentoso visitará Itália.
Os estudantes imaginam, escrevem e oram. Desejam conhecer o Papa no Vaticano.
Os trabalhos serão avaliados por Giulietta. A irmã do mecenas é poetisa.
Não temo, assim, uma escolha errada.
O último livro tornou-se um bestseller.
Chama-se "Um saco transbordando de estrelas".
Amor artístico... que caso raro!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto
Desafio nº 113 – anagramas em frases de 6 palavras


Joana Silva ― desafio RS 44

Almas gémeas conectadas por um fio imaginário… Dizem que todos temos alguém que nos é destinado, seja um amigo, ou mais que isso. Mas nunca acreditei! É simplesmente patético e ridículo... Apenas corpos adultos presos em mentes de crianças continuam a alimentar esta ideia.
Isto era o que eu pensava antes de te conhecer… É no teu abraço que eu encontro o meu porto seguro, é nos teus olhos que eu vejo o reflexo da minha alma…
Joana Silva, 13 anos, Colégio Paulo VI – Gondomar, prof.ª Raquel Almeida Silva
Desafio RS nº 44 – reflexão em 44, contrário em 33