25 abril 2018

Diário 77 ― 31 ― O mar

O mar enredou-lhe os pensamentos, e ela deixou. Descartou-se de momentos passados e exaltou-se com momentos desejados. Sentiu-se diferente – já não era um ponto final suspenso na rocha. Não encontrou o vazio que carregava, nem questionou a vontade que surgia.
Deixou-se ficar, quieta. Abandonou o olhar nas ondas, deixou que lhe trouxessem outras verdades. Transformou-se num mar mais forte, mais azul, tão mais possível.
E reencontrou-se em cada onda que sentiu e que não deixou para trás.
Margarida Fonseca Santos


24 abril 2018

Diário 77 ― 30 ― António, o louco

António voltava da Nigéria, completamente enlouquecido. Fazer certos ritos era o mínimo, sendo o máximo parecer um animal. A sanidade daquele homem que regressava ao ninho estava desfeita.
De penico à cabeça, foi até casa da tia num delírio onírico, assustador. Pobre tia, a quem deu logo um fanico, e que, ao acordar, entrou em pânico. Era nítido o nível da sua demência.
Contudo, a mãe, dando-lhe beijos repenicados e um níquel para comprar gelados, conseguiu controlá-lo.
Desafio RS nº 40 – 14 palavras com a sílaba NI
Margarida Fonseca Santos


Maria Clara Martins ― desafio 133


Vai devagar, Tito! – aconselhava o avô. Mas o Tito nunca abrandava, daí os arranhões e os joelhos esfolados, tatuagens da terra batida e das silveiras no verão. Não que tivesse pressa, nas férias não havia relógio! Mas a bicicleta era sua aliada e quanto mais pedalava mais depressa levantava voo. Desde que aprendera a voar que gostava de o fazer. Chegava à clareira, pousava a bicicleta, abria as asas de um livro e lá ia, a voar!
Maria Clara Martins, 38 anos, Coimbra
Desafio nº 133 ― cair nas silvas

Miguel Broes ― desafio 27


 é um rapaz muito irrequieto, gosta de brincar, saltar e fazer as suas traquinices. Apesar da sua rebeldia, é um menino doce e adorável. O Avô dele jogou futebol profissional durante muitos anos, e este «rapazinho rebelde» partilha o mesmo sonho. Atualmente joga no IBIS FC, clube da sua terra, mas sonha jogar no maior palco de todos, a Liga dos Campeões e, claro, sonha tornar-se o melhor jogador do mundo, orgulhando a sua família.
Miguel Broes, 17 anos, 12º SE1, Escola Secundária José Saramago-Mafra, prof Teresa Simões
Desafio nº 27 – palavras que crescem (em anagrama)

3º/4º B, EB de Galveias ― desafio 132

A menina e a ave
Dora comia uma broa, enquanto observava uma rola, pousada numa rosa. A ave estava a descansar para depois viajar para Roma. Ela ia ao teatro ver o ator Roberto Rossellini, no Teatro «Hora do Amor». Atingida por um raio raro enganou-se na rota e foi ter a Mora.
A Dora reconheceu a rola e deu-lhe uma romã para ela bicar. Depois de ajudar a amiga foi à roda gigante e levou o seu arco. Divertiu-se muito
3º/4º B, EB de Galveias, professora Carmo Silva
Desafio nº 132 ― AOR + 1

Bruno Correia e Julian Hoffmann ― desafio 27


O Rúben ama a Teresa desde o primeiro momento em que a viu. Diz até que nunca irá amar ninguém como ama a Teresa. Porém, ela desiludiu-o, e ele descreveu esse sentimento como uma dentada numa maçã amarga.
Ainda julgou haver uma possibilidade de reconciliação; contudo o sentimento já não era recíproco. Teresa teria acendido novamente a «chama» dentro de si – amava agora outra pessoa. Posto isto, Rúben viveu amargamente para o resto dos seus míseros dias.
Bruno Correia e Julian Hoffmann, 17 anos, 12º SE, Escola Secundária José Saramago-Mafra, prof Teresa Simões
Desafio nº 27 – palavras que crescem (em anagrama)

Francisco Henriques ― escritiva 31


Quando chegou ao trabalho ― atrasado, como sempre ― sentiu algo fora do lugar, mas não fez caso. Ao entrar na sala comum (ou open space, como agora lhe chamam), fazendo por ser discreto, ninguém o olhou com desdém. "Já me safei", pensou para si. Só ao sentar-se na sua cadeira é que notou: não se ouvia telefones. Nem um único. Pôs-se de pé num salto, e foi quando finalmente percebeu: "Eu não trabalho aqui, caraças. Enganei-me no metro".
Francisco Henriques, 34 anos, Lisboa
Escritiva 31 ― erros nos transportes

Pedro Miguel Alegre e Rita Reis ― desafio 27

Já não sei que dar ao meu país. As únicas lembranças que tenho são as de mim mesmo a andar no meio da superfície marítima, a ver todos os que conheço sem cor e sem vida. Pensava que conseguia mandar, mas ao ver todas as mortes que causei, nem para isso tenho capacidade. Por isso, escrevo, nesta pequena carta de despedida, um pedido de desculpas a todas as famílias pela minha absoluta incapacidade de comandar.
O comandante,
Pedro Miguel Alegre, 18 anos, e Rita Reis, 17 anos, 12º SE1, Escola Secundária José Saramago-Mafra, prof Teresa Simões
Desafio nº 27 – palavras que crescem (em anagrama)

Theo De Bakkere ― escritiva 31


Que se passa?
Já comprar um bilhete no metro pode ser uma aventura, sobretudo quando nunca foste confrontado com essas máquinas caprichosas. Ao menor problema, formar-se-á uma bicha. Felizmente há sempre alguém dos circunstantes que te dará uma ajuda. Agora sou um viajante experimentado, tenho sempre trocos no bolso. Mesmo assim, aconteceu-me o seguinte. Introduzi meu andante para carregar títulos zona 2, seguidamente uma nota. Que acontece? A máquina recolheu-a mas não carregou o andante nem me devolveu o dinheiro.
Theo De Bakkere, 66anos, Antuérpia, Bélgica
Escritiva 31 ― erros nos transportes

Francisca Reis ― escritiva 31


Todos os dias salto para o mesmo assento suado, do lado da janela, ainda aquecido pelo passageiro anterior. Dá sorte... Se me sentar aí o meu dia decorre sem grandes peripécias. Por vezes uma coisita ou outra... mas nada de grave. E, ao fim do dia... puf... caio de novo no meu assento. Mas hoje, o meu lugar estava ocupado e o caminho errado. Foi quando gritei: 
― O senhor enganou-se! 
Que percebi que a enganada era eu.
Francisca Reis, 17 anos, Cantanhede
Escritiva 31 ― erros nos transportes

Paula Castanheira – Escritiva 31

Estava cansada de ser a certinha da família! Todos sabiam o que podiam esperar de Alice. Na escola sempre alinhada com as matérias e com o quadro de honra. Já adulta era funcionária exemplar, pontual e prestável. Tinha a rotina sulcada nos dias e o coração batia-lhe ao ritmo dos ponteiros do relógio.
Os pensamentos levaram-na para longe dali e quando se apercebeu estava no autocarro errado, iria chegar atrasada, mas pela primeira vez, não se importou!
Paula Castanheira, 54 anos, Massamá
Escritiva 31 – erros nos transportes

Curso de Técnico Auxiliar de Saúde de Torre de Moncorvo – desafio 8

Os tomates do campo
Ao passar pelo campo para plantar tomates, Mara repara na terra e esta não está preparada
para a plantação. Então, Mara pensa em passear pelo mercado e comprar os tomates para
preparar salada para comer. Ela crê, no entanto, o paladar não é o mesmo dos tomates do
campo. O esposo ao comer pensa: - Esta salada está má, este tomate não é da nossa terra, é do mercado! Então Mara come a salada e concorda com ele.
Curso de Técnico Auxiliar de Saúde de Torre de Moncorvo, Andreia Pinho
Desafio nº 8 – crise de letras; usar só A E O T R S P L M N D C

Filomena Galvão – Escritiva 31

Há dias em que a lei de Murphy se instala. Não bastava ter adormecido, não ter ouvido o despertador, ainda recebi uma chamada da mãe a acicatar-me para marcar consulta numa nutricionista.
Saí disparada, dei à chave, mas o carro recusou-se. Tentei novamente - nada.
A blasfemar, vi o autocarro à distância. Corri, apanhei-o. Passe, cartão com chip ou “viva” não tinha, moedas também não. O motorista impacientava-se. Um vizinho socorreu-me. Lá fomos, embora eu no sentido contrário.
Filomena Galvão, 57 anos, Corroios​
Escritiva 31 – erros nos transportes

Elsa Alves – Desafio RS 33

Pressentimento positivo nessa noite. Casino cheio. Efeito colateral da democracia: os proletários, agora, querendo enriquecer, facilmente... Caramba! Todas as máquinas ocupadas! Espera, há uma " madame" a levantar-se. " Não deu nada. Desejo-lhe sorte." Vaca, desejas-me é azar... Ora, comecemos. Vá, dá qualquer coisa! Ainda viu as luzes a piscar e ouviu vozes a gritar " jackpot". Mas foi só... O corpo, inerte, tombou-lhe sobre a máquina, enquanto o AVC fulminante lhe roía o cérebro. Pressentimentos positivos, geralmente, são enganosos...
Elsa Alves, 69 anos, Vila Franca de Xira
Desafio RS nº 33 – uma história de enganos

Helena Rosinha – desafio 41

Hoje és importante. Apareces nos media, fazem reportagens sobre a tua vida, filmam-te em grandes planos, entrevistam a pessoa fantástica que te criou. Por ti, há lançamentos e eventos. Há promoções, leve (leia?) três, pague dois. Afagado, folheado, avaliado – numa livraria, supermercado, gasolineira – sais para a rua debaixo do braço, num saquinho ou então embrulhado, com fitinhas e lacinhos. E um talão para troca!
Hoje é assim, voltará a ser o teu dia dentro de um ano.
Helena Rosinha, 65 anos, Vila Franca de Xira
Desafio nº 41 – a propósito do Dia do Livro

23 abril 2018

Programas Rádio Sim - semana 23 abril 2018

Todos os programas, sempre com Helena Almeida e Inês Carneiro, 

nas Giras e Discos, podem ouvir-se aqui (ou pelos links que estão em baixo).

Indicativo do programa:








- Música e letra: Margarida Fonseca Santos; 
Arranjos, direcção musical, piano e voz: Francisco Cardoso
- Histórias de Cantar CD - Conta Reconta

PODCAST ESCOLAS 36 a 40

PODCAST ESC 36 ― Sara, Afonso e Gabriel ― 23 abril 2018  OUVIR
Sara Monteiro e Afonso Oliveira – 3ºB da EB Ermida – Agrupamento de Escolas Abel Salazar – Matosinhos – prof. Simone e prof. Alexandra
+
Gabriel Freitas Pinto, EB1 de Barcelinhos, 3º ano, prof Liliana de Azevedo
Desafio RS nº 31 – 14 palavras com ordem imposta

PODCAST ESC 37 ― Fátima e Catalin ― 24 abril 2018   OUVIR
Fátima Alexandre Resende, 12 anos - Lisboa, EB 2,3 do Alto do Lumiar, 5ºD, Prof Manuel Domingos
+
Catalin Sinidin, 12 anos - Lisboa, EB 2,3 do Alto do Lumiar, 5ºE, Prof Maria João Lamas
Desafio nº 43 – imagem de uma gota a cair numa superfície lisa de água

PODCAST ESC 38 ― Mariana, Rodrigo e Sofia ― 25 abril 2018  OUVIR
Mariana Soares e Rodrigo Borges – 3ºB da EB Ermida – Agrupamento de Escolas Abel Salazar – Matosinhos – prof. Simone e prof. Alexandra
+
Sofia Lopes, 6ºA, Escola Dr. Costa Matos, Gaia, prof Cristina Félix
Desafio nº 31 um conto com matemática…

PODCAST ESC 39 ― Gabriela e Lucas ― 26 abril 2018  OUVIR
Gabriela Almeida
+
Lucas Silva
12 anos – Colégio Paulo VI – Gondomar, prof.ª Raquel Almeida Silva
Desafio nº 36 – uma frase de um conto de autor, usando as palavras por ordem inversa

PODCAST ESC 40 ― Hugo e Telma ― 27 abril 2018   OUVIR
Hugo Monteiro, 12 anos, 7.ºD, Colégio Paulo VI – Gondomar, prof.ª Raquel Almeida Silva
Desafio nº 36 – uma frase de um conto de autor, usando as palavras por ordem inversa
+
Telma Ferreira, 5ºC, Escola Dr. Costa Matos, Gaia, prof Cristina Félix
Desafio nº 15 com frase retirada de um livro

22 abril 2018

Diário 77 ― 29 ― Escondido

Chico permanecia escondido. Espiava tudo pelo espacinho que existia entre as franjas da colcha e o chão. Os passos pesados continuavam muito irrequietos. Quanto faltaria para começar a sesta?! Começava a aborrecer-se…
Um fechar de porta deixou-o desconfiado – o avô não ia dormir?! Pior – deixara-o ali fechado?!...
Rápido, saiu do esconderijo. Quando levantou os olhos, lá estava ele, brincalhão, de pés levantados, sentado na cadeira, para lhe fazer o maior ataque de cócegas de que havia memória…
Margarida Fonseca Santos

OUVIR

Susana Sofia Miranda Santos ― escritiva 31


Esta manhã, distraída pela conversa telefónica, apanhei o autocarro errado. Quando me apercebi, a Foz estava diante de mim e o liceu ficava longe.
Faltarei ao teste de Português... que catástrofe!
Mas é preciso ter espírito positivo! Eu detesto "Os Lusíadas", talvez o destino queira afastar-me de adversidades, porém, quando vislumbrei o cartaz “Hoje à lulas Setubalense” na esplanada, corri para o autocarro da escola... não serei uma eterna iletrada. 
Desculpa, Camões, se fui injusta contigo.
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto
Escritiva 31 ― erros nos transportes

Manuela Branco ― desafio 139


Talvez é esperança, é dúvida, é remorso. Tu encaixas neste puzzle de palavras perfeitamente. Talvez jogando a vida novamente, eu ganhasse. Tu, jogador nato, farias batota outra vez. Talvez se a coragem não me baralhasse. Tu serias o meu melhor trunfo jogado. Talvez eu peça a desforra um dia. Tu, jogarias uma última cartada de charme. Talvez se acreditasse iria a jogo novamente. Tu, voltarias a ganhar e a magoar. Talvez, afinal amor seja um jogo perdido!
Manuela Branco, 61 anos, Alverca
Desafio nº 139 ― todas as frases com 7 palavras ― Talvez… + Tu…